Não é o Preço de Sua Peça Cartonada que Vende

Quando estamos iniciando no mundo da cartonagem, geralmente, temos uma grande dúvida quando o assunto é o preço da(s) peça(s) cartonada(s).

Você pode ter se perguntado um dia: Será que estou oferecendo os meus produtos caros demais e, por isso, estou vendendo pouco?

Essa questão normalmente ocorre quando as encomendas (vendas) se mostram pouco expressivas.

Isso, muitas vezes, faz o artesão repensar se é o seu preço que determina o vender muito, pouco ou nada.

A ideia hoje, aqui, não é falar sobre como precificar o seu produto…

…sim esclarecer pontos que você deve considerar antes de pensar que os seus produtos estão caros demais e, por isso, as encomendas não estão sendo fechadas.

A verdade é que está acontecendo algo que faz você ter dificuldades de fechar as encomendas (ou muitas encomendas), mas você ainda não descobriu o que é.

Posso te afirmar uma coisa, provavelmente, o preço não é o responsável pelo não fechamento dessa ou daquela encomenda cartonada.

(boa notícia, não é? \o/).

É certo que o preço do seu produto é algo importante, mas não é o primeiro fator que você deve considerar nesse momento.

Vou te explicar o porquê.


NOTA: O preço só será um empecilho se você estiver praticando um preço fora da realidade. Do contrário, se o seu preço estiver justo (e for justificável) os resultados virão mais positivamente.


O que faz as encomendas de peça(s) cartonada(s) cair?

As baixas encomendas são, na grande maioria, resultantes de uma escolha equivocada do público-alvo que você promove o seu produto.

Trocando em miúdos, se você erra no público-alvo que você oferece o seu produto, esse apresentará rejeição justificada pelo preço por não enxergar o valor de seu trabalho.

Quando isso ocorre você acaba ouvindo uma resposta à sua oferta que faz menção somente ao preço, o famoso “tá caro”!

A palavra “tá caro” é muito relativa, pois todas as pessoas têm valores diferentes sobre todas as coisas. O que é barato para uma pessoa pode ser muito caro para outra e por vai.

Por exemplo:

Um baton da marca Garoto por R$ 1 real pode ser muito caro, como também pode ser muito barato a depender da percepção de valor do interessado.

Quando encontramos ele todo embaladinho e bonitinho na prateleira do supermercado podemos achar caro pagar R$ 1 real por 16g de chocolate, pois tendemos a pensar: “Nossa! Isso tudo por tão pouco?”.

Por outro lado, se imaginarmos todo o processo que ele teve até chegar ali, como:

Estudo da receita, mão-de-obra, embalagem, energia elétrica, água, transporte, etc, logo vemos que não chegaríamos nem próximos de conseguir reproduzi-lo com total perfeição como ele é.

Logo, a perspectiva do “tá caro” já começa a mudar de posição.

E é assim que enxergamos um outro valor para aquele realzinho que é cobrado por ele.

Ah, e diga-se de passagem que quando o valor das coisas mudam para mais, elas também ficam mais gostosas.

Como os valores de uma pessoa é algo muito pessoal, não podemos mudar o de ninguém.

Mas, em contrapartida, podemos mostrar um outro ponto de vista que pode não estar sendo percebido.

Como Aumentar o valor percebido da sua peça cartonada

Na Cartonagem pode ter certeza que a relação de valores não é diferente.

Porque também se trata de relações de compra e venda e estas envolvem o valor percebido pelo seu cliente sobre seu produto.

Para resolver essa questão, a primeira dica que dou é que olhe para o seu público-alvo com mais atenção.

Será que esse público realmente enxerga o valor de um trabalho artesanal?

Será que existe o entendimento de que o que você faz envolve uma série de processos técnicos?

Será que ele sabe que existe à personalização do trabalho que você entrega para ele?

Será que ele percebe que você levou horas estudando, praticando e trabalhando para que o seu produto o encante e o satisfaça?

Experimente mostrar a seu público-alvo todo esse valor.

Se ele ainda não enxergava, certamente passará a enxergar o valor devido da sua peça cartonada.

Seus resultados mudarão da água pro vinho assim.

E se mesmo assim não resolver, sugiro que mude o seu público-alvo.

Fazendo isso você também se auto valoriza como profissional!

Se você está começando ou tem interesse em começar a fazer cartonagem, reflita sobre os valores que o seu trabalho tem ou terá.

Identifique os pontos valiosos do seu trabalho e mostre-os!

Garanto que você nunca irá parar por um pensamento desfavorável.

Nunca pensará que o preço está sendo uma barreira e, portanto, não há fechamento de sua encomenda cartonada.

E você? Me conta como anda valorizando o seu trabalho!

Beijos,

Nalyne Mahasaya

8 thoughts on “Não é o Preço de Sua Peça Cartonada que Vende

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *